• Descomplique o seu negócio

    Contabilidade sob medida para sua empresa. Oferecemos pacotes de serviços do tamanho da sua necessidade.

    Abrir Empresa Migrar Empresa

Notícia

Dólar fecha no menor valor desde 28 de fevereiro por otimismo com Previdência

O dólar operou o dia todo em queda e fechou na menor cotação desde 28 de fevereiro, quando terminou em R$ 3,7535.

O dólar operou o dia todo em queda e fechou na menor cotação desde 28 de fevereiro, quando terminou em R$ 3,7535. Otimismo com a reforma da Previdência, que pode ser aprovada hoje no plenário da Câmara em primeiro turno, e a sinalização do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de que está pronto para cortar os juros na maior economia do mundo, levaram os investidores a vender a moeda americana. O dólar à vista encerrou a quarta-feira em R$ 3,7568, em queda de 0,77%, o terceiro maior recuo em uma lista de 34 moedas internacionais.

Operadores veem chance de quedas adicionais do dólar se o texto-base for aprovado na noite desta quarta-feira. “Se a aprovação vier hoje à noite, a moeda abre amanhã ainda mais para baixo”, destaca o responsável pela área de câmbio da Terra Investimentos, Vanei Nagem. A dúvida, porém, é para quanto a moeda pode recuar. Ele acredita que se a Previdência seguir avançando e outras reformas também caminharem, como a tributária, a moeda americana pode cair para a casa dos R$ 3,50.

O economista-chefe para América Latina do ING, Gustavo Rangel, vê a moeda americana mais perto dos R$ 3,60 em um cenário com as reformas aprovadas do que dos R$ 3,40. “O real deve ter um rali, mas de extensão limitada.” Uma das razões é que a aprovação deve levar o Banco Central a cortar os juros, em um ciclo que pode chegar a 150 pontos-base, o que reduz a atratividade internacional do real e estimula ainda mais o uso da moeda brasileira como hedge para outras operações, movimento que já vem acontecendo nas últimas semanas.

Operadores destacam que o real já vem mostrando um “atraso” em relação a outros ativos, como o Ibovespa, que hoje chegou a superar os inéditos 106 mil pontos, e os juros futuros, com as taxas em queda há várias semanas. O gestor de investimentos da Western Asset, Adauto Lima, observa que a reação mais lenta do câmbio pode ser reflexo da busca da moeda brasileira por hedge pelos investidores, além da forte saída de recursos de estrangeiros em junho. Lima ressalta que a perspectiva de aprovação de uma reforma da Previdência com economia fiscal importante e as sinalizações de corte de juros nos EUA estão por trás do otimismo dos agentes.

No mercado internacional, o dólar operou em queda generalizada, tanto ante divisas de países desenvolvidos, como o euro e a libra, como ante moedas emergentes. Tanto o discurso do presidente do Fed, Jerome Powell, no Congresso, como a ata da última reunião de política monetária dos dirigentes da instituição, sinalizaram corte de juros em breve.